quarta-feira, 30 de novembro de 2011

9mbro

Novembro foi o mês mais seco no Rio Grande do Sul nos últimos quarenta anos. Os narizes ardem como se estivessem passeando pela Av. Paulista.
 
Na terra da pele brilhosa, o ar-condicionado já fez centenas de vítimas. Mais do que nunca as plantas dependem do homem. Os passarinhos só cantam à noite. Cães e gatos parecem colados nos pisos de lajota. Cavalos e ovelhas não arredam da sombra. O leite da vaca já vem fervido. Cerveja não devolve o carisma masculino. Nem sorvete provoca o prazer feminino. Por causa do calor. Calor seco. (Não o conhecido bafo).



Agora São Pedro ameaça chutar o Grande Balde. Minha avó já sente reumatismo nos joelhos. 

Se for chover, que seja um toró.


[Se não chover, chovo eu!]

Nenhum comentário:

Postar um comentário